O Papel da Língua Portuguesa e Espanhola na Geopolítica do Século XXI: Oportunidades e Desafios no Oriente Médio

As línguas são instituições humanas e assim como os homens que as falam, têm seus avanços e seus retrocessos, conquistam e perdem falantes, tudo conforme o prestígio que têm os países que as usam. A língua portuguesa, neste sentido passou a gozar nos últimos anos de maior prestígio internacional em função de fatores como o tamanho de suas  populações, a relativa juventude dos seus falantes, a sua distribuição no mundo e, consequentemente, as oportunidades de negócios com estes mesmos países.

Dessa forma, não é necessário muito esforço mental para se dar conta de que o português, falado por aproximadamente 272 milhões de pessoas em todo o mundo, possui uma saúde vigorosa e continuará a tê-la ainda por bastante tempo graças às boas perspectivas econômicas que se vêm desenhando no início do século XXI. Mas a língua portuguesa não está só nesta expansão, é acompanhada pela língua espanhola[1], falada por nada menos que 432 milhões de pessoas, incluindo falantes nativos e como língua segunda.

Há, contudo, grandes desafios ainda a serem superados, como o combate à pobreza extrema e ao analfabetismo em alguns daqueles países, a dificuldade de acesso ao conhecimento tanto através dos livros como de meios virtuais, sem nos esquecermos das comunidades emigradas nos quatro cantos do planeta. Será, portanto, dessas oportunidades e desafios impostos a essas línguas, principalmente no Oriente Médio, que trataremos neste artigo.

Estado atual das línguas portuguesa e espanhola no mundo

A língua portuguesa tem estatuto oficial em oito países distribuídos em quatro continentes: Europa, África, América e Ásia.[2] É oficial, ao lado do chinês, na antiga possessão portuguesa de Macau e é a base de línguas crioulas no que constituía a antiga Índia Portuguesa (Damão, Diu e Goa). No entanto, os espaços geográficos aonde a língua portuguesa foi levada em muito ultrapassam os das ex-colônias de Portugal, pois que atualmente há importantes comunidades portuguesas na Austrália, Canadá, Estados Unidos, Venezuela e mesmo em outros países da Europa como França e Luxemburgo.

cplp1

Comunidade dos Países de Língua Portuguesa.

Por seu lado, o Brasil, maior país lusófono tanto em extensão como em população, também contribuiu para expandir os horizontes da língua, cobrindo não somente as áreas citadas anteriormente pelos portugueses, como também o Oriente Médio e Extremo Oriente, cujos exemplos mais representativos são as comunidades dos “decasséguis”[3], no Japão, e a dos “brasilibaneses[4], no Líbano.

Já a língua espanhola é oficial em 23 países, sendo a grande maioria na América.[5] No entanto, devido ao alto índice de emigrantes, é falada em todos os continentes. Nos EUA, por exemplo, seu uso é amplo, fazendo dela a segunda língua mais falada depois do inglês. No Brasil, por causa do incremento do comércio com os vizinhos hispânicos, o espanhol ganhou prioridade e seu ensino tornou-se obrigatório nas escolas públicas.

População hispânica nos Estados Unidos na antiga fronteira mexicana-americana.

População hispânica nos Estados Unidos na antiga fronteira mexicana-americana. Wikipedia, (CC BY-SA 3.0 ES).

A internacionalização

Com números e distribuição tão impressionantes, português e espanhol têm atraído nos últimos anos a atenção tanto dos descendentes da diáspora ibérica e latino-americana, como também de pessoas sem vínculos familiares com estas línguas. Os primeiros porque esperam manter vivos os laços sentimentais com as culturas de seus ancestrais através dessas línguas; os segundos porque veem no seu domínio um meio para fazer negócios com os países que as falam.

Este quadro faz pensar que a expansão do português e do espanhol como línguas de cultura e de negócios é – bem como em quaisquer outras línguas – um simples processo natural de ascensão e queda dos países ao longo de suas histórias e, consequentemente, de suas línguas. Embora esse raciocínio tenha sua razão de ser, explica uma pequeníssima parte do que se passa com as línguas atualmente na Era da Informação.

O fato é que não se estuda uma língua estrangeira apenas porque ela é falada por muitas  pessoas, mas sim pelo poder político e econômico que seus falantes têm, mostrando, tal como nos diz Claude Raffestin, que as línguas são “[…] un problème de pouvoir parce que la langue est un enjeu et elle l’est parce qu’elle est une ressource” (1978: 279).

Mas como explicar que português e espanhol tenham conseguido ocupar áreas tão vastas em continentes tão distantes de suas origens, principalmente se observarmos a crítica situação econômica que Portugal e Espanha encontram-se atualmente? Certamente é necessário tomar cuidado para não contaminar o passado com a realidade presente desses países. O fato é que a primeira chave interpretativa está na expansão ibérica no século XIV.

Portugal logo percebeu o quão duro seria encontrar seu espaço no Mar Mediterrâneo. Entre os seus competidores estavam os espanhóis, franceses, genoveses e turcos, numa luta sem fim com avanços e retrocessos pelo controle da Bacia Mediterrânica (Braudel 1990: 228). Assim, o sonho português de construir um Império impôs-se por sua elite comercial em direção ao Atlântico, cuja ideia de suceder os Quatro Impérios da Antiguidade[6], de certa forma sacralizados pela Bíblia, faria daquele país o Quinto Império – o Português –, porta-voz da fé cristã e dos valores ocidentais[7].

Dessa forma, o “Portugal d’além mar” nasceria com as navegações na costa atlântica do norte da África com a tomada de Ceuta a 22 de agosto de 1415, a colonização da Ilha da Madeira em 1425 e dos Açores em 1439. A partir de então a experiência marítima dos portugueses lhes permitiria navegar por águas muito mais distantes de sua costa, assim chegando a Cabo Verde em 1460, a São Tomé e Príncipe em 1470, a Angola em 1482, a Moçambique e à Índia (Goa, Diu e Damão) em 1498, ao Brasil em 1500, à China (Macau) em 1557. A lista poderia estender-se ainda mais, mas as localidades e as datas citadas acima mostram claramente que o português, através da boca daqueles navegadores, foi a primeira e uma das mais importantes línguas da expansão europeia, logo seguida pelo espanhol, inglês, neerlandês e francês.

Monumento a Cristóvão Colombo em Barcelona. Wikipedia, (CC BY-SA 3.0 ES).

Monumento a Cristóvão Colombo em Barcelona. Wikipedia, (CC BY-SA 3.0 ES).

Quanto ao espanhol, o Reino de Castela (posteriormente, Reino da Espanha) tardou aproximadamente 80 anos em relação ao Reino de Portugal para iniciar sua expansão, que se deu somente depois da união com o Reino de Aragão e a espulsão dos mouros. Foi só no fim do século XV, com a expedição de Cristóvão Colombo em 1492, quando chegou ao território que hoje chama-se Bahamas, depois a Cuba e ao Haiti. Em uma segunda viagem alcançou as Antilhas e então ao que se conhece atualmente por Jamaica e República Dominicana. Não demoraria muito para que os espanhóis chegassem ao México (1519) e ao Peru (1531), Império que só viria a aumentar ao longo dos anos.

Portugueses e espanhóis haviam conseguido uma expansão que até então só podia ser rivalizada em termos políticos e culturais pelas dos romanos e dos árabes no Mediterrâneo. Foi, a princípio, pela força do conquistador estrangeiro e porteriormente pelas massas de migratórias, que o português e o espanhol fincariam raízes profundas na África e na América.

Entretanto, vivemos agora em outros tempos, em que as batalhas dão-se em outros campos muito mais complexos do que aqueles da Era dos Descobrimentos. Atualmente, uma língua vale pelos negócios que ela intermedia e pelo conhecimento que ela veicula, mostrando a portugueses e a espanhóis que era necessário partilhar as responsabilidades pela manutenção e promoção de suas línguas com suas ex-colônias.

A “Geopolítica da Língua”: por uma definição da língua enquanto instrumento de identidade e força

A atual crise econômica que atingiu em cheio a Europa, afetou as economias dos seus países de tal forma que levarão anos para se recuperar. Em parte, muito também se deve ao envelhecimento de sua população, cujo perfil de consumo é evidentemente mais conservador do que o das populações jovens, sobretudo as da América Latina emergente. É daquela parte da América que vêm as potências dos Mundos Lusófono e Hispanófono – o Brasil – cuja população de 202 milhões de habitantes e um PIB de US$ 2,5 trilhões e o México, maior país hispânico, com uma população de 117 milhões de habitantes e um PIB de US$ 1,04 trilhão, o que faz deles os países da América Latina que mais produzem riqueza e cultura.

Mas Brasil e México não estão sós nesta ascensão. Entre os países lusófonos, Angola e Moçambique parecem ter encontrado a via do desenvolvimento, apesar de ainda ser longo o caminho da justiça social. Para a América espanhola, Argentina, Colômbia e Venezuela são responsáveis por uma considerável produção de bens de consumo, sem falar no âmbito cultural, com produções para TV e cinema bem como de obras literárias que levaram o espanhol aos mais distantes pontos do planeta. Assim, esses espaços geolinguísticos diversos em que se inserem o português e o espanhol vivem atualmente um processo de atualização de poder.

Dissemos a pouco que o centro de poder que envolve a língua portuguesa e a espanhola passou a ser nos últimos anos compartilhado entre as diversas nações que as usam como línguas oficiais; e dissemos também que países antes considerados periféricos como Brasil, Angola, Moçambique, Argentina, Colômbia, México e Venezuela ganharam protagonismo neste novo equilíbrio. Tudo isto traz à mente a ideia de uma “Geopolítica da Língua”, aqui vista como elemento que parte da coesão dos laços culturais, mas que avança como instrumento político-comercial nas relações entre os países.

A Geopolítica da Língua não deixa então de ser, enfim, tudo o que engloba, por extensão de significado, as relações entre as características geográficas (localização, clima, povos etc.) e os processos políticos das populações que habitam em determinada região. Portanto, ligar o uso predominante de uma dada língua – neste caso a portuguesa e a espanhola como intrumentos de coesão – às negociações com outros povos é apenas uma consequência natural.[8]

Se o perfil econômico e político das populações lusófonas e hispanófonas mudou, o mesmo passou-se com a imagem que elas têm agora de suas próprias línguas. No presente momento, há um expresso desejo de associá-las à ideia de oportunidades que há naqueles países, assim como a elementos afetivos que conectem seus falantes, valorizando aspectos que liguem uma e outra língua ao orgulho nacional e sentimento de pertença, o que inclui os emigrantes e os seus descendentes. Em ambos os casos, estas ideias encorajaram a criação de órgãos de difusão da língua, tal como o Instituto Camões, para o português, e o Instituto Cervantes [es], para o espanhol, e para breve aguarda-se a criação de um possível Instituto Machado de Assis, pelo governo brasileiro.

Institutos como os citados acima priorizam atuações como a promoção das línguas portuguesa e espanhola, a cooperação universitária e o aumento da presença audiovisual. Especificamente no Oriente Médio, o Instituto Cervantes e o Centro Cultural Brasil-Líbano têm atraído um considerável número de interessados em estudar espanhol e português bem como para assistir mostras de produções cinematográficas.

A língua portuguesa e espanhola no Oriente Médio

Mas o que significa este passo até poucas décadas considerado impensável no Oriente Médio? Uma parte fundamental da resposta inclui o “MERCOSUL”, bloco comercial de países emergentes que reúne Brasil, Argentina, Paraguai, Uruguai e Venezuela, que se faz cada vez mais presente no comércio e nas decisões internacionais. Esses e outros fatores são mais do que suficientes para fazê-lo uma potência de influência mediana, mas de alcance mundial. Seu avanço dá-se também no âmbito cultural e linguístico, através da diáspora latino-americana no Oriente Médio e, embora ainda tímidas, através de transmissões e publicações de obras de autores de fala lusa e hispana.

É ainda um movimento que se encontra nos seus primórdios, mas ações importantes já foram tomadas. No caso do português, um exemplo foi a criação do Leitorado de Língua Portuguesa e Cultura Brasileira no Líbano durante o governo do presidente Lula, que teve início em 2007, do qual fomos o primeiro leitor. As aulas eram ministradas na Faculdade de Tradução da Universidade Libanesa e assistidas por dezenas de alunos em vários horários ao longo da semana. Todos, sem exceção, procuravam as aulas de português por causa do interesse gerado por esta nova fase em que se encontra o Brasil e as oportunidades de negócios e de trabalho criadas na área de tradução profissional por causa das empresas brasileiras que cada vez mais se internacionalizam.

Infelizmente, por causa da falta de um acordo claro sobre os deveres e direitos entre a Universidade Libanesa e o Ministério das Relações Exteriores do Brasil, o Leitorado naquela universidade foi cancelado pelo governo brasileiro. Contudo, o interesse continuou e como prova foi o convite que recebemos para trabalhar na Universidade Libanesa por mais um ano depois do fim do Leitorado, agora sem o apoio do Ministério das Relações Exteriores do Brasil.

A iniciativa brasileira com a criação do Centro Cultural Brasil-Líbano foi louvável, mas local e, portanto, limitada, uma vez que o Centro é uma iniciativa da Embaixada do Brasil naquele país e não do governo brasileiro como um projeto nacional de promoção da língua portuguesa, tal como têm os espanhóis com o Instituto Cervantes.

O fato é que a iniciativa isolada da embaixada do Brasil no Líbano certamente tem custado muito mais caro aos contribuintes brasileiros. E neste ponto o Brasil tem perdido em duas frentes: uma com os países lusófonos e outra com os sócios do MERCOSUL. Aqueles, especificamente, para operações de promoção da língua portuguesa, cultura e características de cada país, bem como no aprofundamento dos negócios entre os empreendedores libaneses e os países da Lusofonia; estes na promoção dos interesses específicos dos países do bloco sul-americano, no qual, aliás, vive a grande maioria da diáspora libanesa, palestina e síria.

A participação organizada dos governos do Brasil e dos outros países lusófonos teria um efeito imediato na percepção dos estrangeiros não nativos em nossa língua, mostrando que formamos um bloco coeso. A criação da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) e o tão discutido Acordo Ortográfico – que uniu a ortografia naqueles países – foram um importante passo nesse sentido, mas há ainda muito mais por se fazer e essas ações passam inevitavelmente pelas mãos dos políticos em estabelecer uma política de promoção da língua enquanto instrumento de aproximação cultural e comercial.

Colóquio Internacional "Les relations entre le Moyen-Orient et l'Amérique latine : une décennie de relance Sud-Sud", organizado pelo Centro de Estudos e das Culturas da América Latina da Universidade de Kaslik, Líbano, entre 29 e 30 de novembro de 2012.

Colóquio Internacional “Les relations entre le Moyen-Orient et l’Amérique latine : une décennie de relance Sud-Sud”, organizado pelo Centro de Estudos e das Culturas da América Latina da Universidade de Kaslik, Líbano, entre 29 e 30 de novembro de 2012.

Debilidades que podem passar a ser oportunidades

Sabe-se que Angola e Brasil estão entre os destinos prioritários para os investidores libaneses, mas nada em conjunto por parte dos governos angolano e brasileiro foi feito para facilitar o acesso a esse mercado. Angola, aliás, nem mesmo representação diplomática no Líbano tem.

Viria em muito boa hora um programa entre os dois países para que usassem como plataforma, por exemplo, a presença brasileira em território libanês para promover também empresas e negócios em Angola. Do ponto de vista linguístico, seria também uma excelente oportunidade para mostrar aos libaneses que angolanos e brasileiros falam uma mesma língua, embora pertençam a variantes diferentes, tal como se passa com outras línguas amplamente faladas.

A presença na Internet é um outro ponto a ser desenvolvido no avanço e sedimentação da  língua portuguesa e espanhola no Oriente Médio, o que passa obrigatoriamente pelo aumento do número de publicações e também por sua desconcentração. A título de exemplo, no caso da língua portuguesa o que se vê atualmente é uma concentração de publicações nas mãos do Brasil e, por consequência, pouco se sabe sobre a África lusófona, disperdiçando-se assim oportunidades de se fazer conhecê-la e de fazer negócios com ela. Dessa forma, cabe um esforço cooperado daqueles países para democratizar o acesso à rede mundial e assim oferecer oportunidades mais justas de comunicação com o mundo, maior acesso ao conhecimento, e facilitar as oportunidades de negócios criadas justamente pela expansão do português através do Brasil.

A pouca presença nas transmissões audiovisuais é outro ponto a desenvolver. Especificamente no caso do  Líbano, a disponibilização de programas em português é deficiente e, até onde sabemos, não está incluída nos pacotes de TV a cabo vendidos no país; em espanhol é ainda bastante reduzida quando comparada às transmissões em francês e inglês. Isso afeta duplamente os interesses do MERCOSUL no Líbano, primeiro porque distancia as colônias latino-americanas das realidades de seus países de origem, bem como das línguas portuguesa e espanhola que os programas nestas línguas ajudariam a  sedimentar e a atualizar; mas também como conector entre os não nativos interessados nos países do MERCOSUL, já que essas transmissões são um dos melhores meios para se aprender um novo idioma. O certo é que aqui o caminho é sabidamente o mesmo que trilharam o francês e o inglês com transmissões voltadas para o exterior.

Bandeira da Liga Árabe. Em domínio público.

Bandeira da Liga Árabe. Imagem em domínio público.

Existem muitas outras formas para se promover a língua portuguesa e a espanhola e por isto mesmo aqui estão outras excelentes oportunidades. Entre elas estão a indústria editorial e cinematográfica, que parecem ainda não ter se atentado ao Oriente Médio, principalmente ao Líbano. Nesse sentido, obras de escritores lusofalantes e de hispanofalantes poderiam ganhar leitores lá se esforços conjugados fossem feitos entre o bloco lusófono e o MERCOSUL, traduzindo seus escritores para o árabe, ou mesmo que para o francês e o inglês; quanto aos filmes, acordos com salas de cinema espalhadas pelos grandes centros para a veiculação de produções cinematrográficas latino-americanas.

E isso se faz somente de uma maneira: apoio governamental que ajude a custear as publicações (traduções, revisões, edições, transmissões, distribuições etc.) em coedições e coproduções com editoras e produtoras nos países onde se quer promovê-las. Ao Líbano há ainda um elemento a mais: a existência de escritores da diáspora libanesa que se estabeleceram na América Latina e que são desconhecidos dos libaneses, o que é uma ironia. A partir daí chega-se então à segunda etapa: feiras de livros e contatos com universidades locais. Nesse sentido o Centro de Estudos e das Culturas da América Latina, da Universidade de Kaslik, tem um importante papel como intermediário que é das culturas daqueles países.

Conclusão

O trabalho a fazer é bastante grande, mas não impossível, até porque o momento é favorável ao aprofundamento das relações entre os países da América Latina e os do Mundo Árabe. Crer que a classe política latino-americana é mais burocrática do que foi a inglesa, norte-americana ou francesa é um equívoco; elas apenas sofreram a devida pressão de elites mais bem organizadas que as dos países latino-americanos e árabes, muito mais cientes da importância de suas línguas como instrumentos de trabalho e de cultura. Trata-se, no fim das contas, da maturidade cultural de cada povo, a qual acreditamos que, mesmo que a passos lentos, os países do MERCOSUL estão indo na boa direção.

Felizmente, o debate sobre a força do português e do espanhol onde eles são falados tem aumentado exponencialmente seja na mídia escrita, na audiovisual e na internet através dos blogs – seu principal vetor – e tem cada vez mais ganhado espaço entre os formadores de opinião. Ele acompanha o aumento da autoestima, como dissemos anteriormente, de seus falantes, decorrente do sucesso dos empreendedores latino-americanos dentro e fora de seus territórios.

Enfim, é nada mais do que uma “nova-antiga” história: nova porque inclui novas personagens; velha porque o script é o mesmo. Uma história na qual uma das personagens principais é o emigrante, pois que ele é o elo que liga países distantes como Brasil, México ou Venezuela aos do Oriente Médio como Líbano e Síria.

Especificamente quanto ao Brasil e ao Líbano, é aos “brasilibaneses” a quem cabe a função de intermediários entre um e outro país e por aí passa um processo de valorização desta comunidade por parte das autoridades brasileiras, pois eles dominam a língua portuguesa e árabe como nativos e são, por excelência, os melhores intermediários entre um e outro país. Paralelamente, cabe rever o currículo escolar brasileiro e ensinar mais e melhor sobre o Mundo Árabe aos jovens brasileiros e, quem sabe, aos do MERCOSUL, ao mesmo tempo que  se ensine também aos brasileiros e aos demais latino-americanos quem são seus compatriotas d’além mar.

Uma vez estabelecido o impacto do potencial econômco entre esses dois blocos, o passo seguinte será o de mostrar como os árabes podem ganhar se dominarem o português e o espanhol e como os latino-americanos podem ganhar ao promoverem seus negócios naqueles países.

O momento é proprício à aproximação e se souberem explorá-la os países da América Latina e do Mundo Árabe tornariam-se aliados não pela imposição de um bloco ao outro, mas pela complementaridade de interesses e interessa aos árabes saber português e espanhol, por serem as línguas dos países emergentes onde estão os membros de suas diásporas e pelas oportunidades de negócio.

 

Artigo apresentado no Colóquio Internacional “Les relations entre le Moyen-Orient et l’Amérique latine : une décennie de relance Sud-Sud”, organizado pelo Centro de Estudos e das Culturas da América Latina da Universidade de Kaslik, Líbano, entre 29 e 30 de novembro de 2012.


 

Bibliografia:

Braudel, Fernand. La Méditerranée et le monde méditerranéen à l’époque de Philippe II (vol. 1). Paris: Armand Colin, 1990, 533 p.
Hobsbawm, Eric J. A Era dos Impérios, 1875-1914. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2003, 546 p.
Houaiss, Antonio. Sugestões para uma Política da Língua. Rio de Janeiro: Instituto Nacional do Livro, 1960.
Maalouf, Amin. Les identités meurtrières. Paris: Grasset, 1998, 189 p.
Público, The New York Times anuncia edição online em português, 15/10/2112 (www.publico.pt).
Raffestin, Claude. “La langue comme ressource : pour une analyse économique des langues vernaculaires et véhiculaires”, Cahiers de Géographie du Québec, vol. 22, n. 56, 1978, p. 279-286.


 

Notas:

  1. Embora saibamos da controvérsia em torno dos termos “castelhano” e “espanhol”, optaremos aqui por este último, uma vez que do ponto de vista estritamente linguístico “espanhol” parece menos sujeito a ambiguidades. []
  2. Por ordem alfabética, os países onde o português é oficial são: Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. []
  3. Termo formado pela união dos verbetes na língua japonesa deru (sair) e kasegu (para trabalhar), tendo como significado literário “trabalhar longe de casa”. Assim são denominados em japonês os nipo-brasileiro, entre outros nipo-descendentes, que emigraram para o Japão nos anos 1980 para trabalhar como operários na indústria. Os “decasséguis” brasileiros no Japão são aproximadamente 300 mil pessoas e representam a terceira maior comunidade de trabalhadores estrangeiros neste país. []
  4. Formado da fusão dos verbetes “brasileiro” e “libanês” e refere-se aos brasileiros de origem libanesa que emigraram para o Líbano, fazendo o caminho inverso seguido por seus ancestrais. Os “brasilibaneses” concentram-se principalmente no Vale do Beqaa e mantêm muitos de seus hábitos e tradições brasileiros, entre eles a culinária brasileira e, evidentemente, a língua portuguesa. Embora não haja números exatos, a comunidade dos “brasilibaneses” é estimada em 10 mil pessoas. []
  5. Argentina, Bolívia, Chile, Colômbia, Costa Rica, Cuba, Equador, El Salvador, Espanha (incluindo os territórios ultramarinos das Canárias e de Ceuta e Melila), Guatemala, Honduras, México, Nicarágua, Panamá, Paraguai, Peru, Porto Rico, República Árabe Saaraui Democrática (ao lado do árabe), República Dominicana, Uruguai e Venezuela. []
  6. O Quinto Império foi uma crença messiânica e milenarista concebida pelo padre português Antônio Vieira no século XVII. Os quatro primeiros impérios eram, segundo Vieira, pela ordem: o Assírio, o Persa, o Grego e o Romano –o quinto seria o Império Português. A ideia do Quinto Império teria sido também uma forma de legitimar o movimento autonomista português, que havia conseguido o fim da União Ibérica (unidade política que regeu toda a Península Ibérica de 1580 a 1640, resultado da união dinástica entre as monarquias de Portugal e da Espanha). []
  7. BOSI, Alfredo. Antônio Vieira, profeta e missionário: um estudo sobre a pseudomorfose e a contradição. Estud. av.,  São Paulo ,  v. 22, n. 64, Dec.  2008 .   Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142008000300015&lng=en&nrm=iso>. access on  15  Aug.  2013.  http://dx.doi.org/10.1590/S0103-40142008000300015. []
  8. Embora a lista de obras sobre Geopolítica seja extensa, citamos aqui dois clássicos sobre o tema: “O Príncipe” (1513), de Nicolau Maquiavel e “Leviatã ou Matéria, Forma e Poder de um Estado Eclesiástico e Civil” (1651), de Thomas Hobbes. []

You may also like...

3 Responses

  1. Que orgulho de meu amigo. E como o ser humano é inerentemente egoísta, também sinto um orgulho danado de tê-lo conhecido assim que voltei ao Brasil, e o ‘desviado’ de seus estudos de Letras para começar uma nova e feliz carreira na área da História. Parabéns pelo artigo!

  2. O Departamento de Língua Portuguesa da Universidade de Aswan foi criado o dia 20 de fevereiro de 2014 pela resolução do Conselho da Universidade de Aswan depois da aprovação da Descrição Curricular do Programa de Graduação em Língua Portuguesa. O novo departamento visa formar estudantes egípcios, árabes e africanos em Língua Portuguesa capazes de realizar traduções e comunicações interculturais fluidas entre os Países Falantes de Língua Portuguesa e Países Falantes de Língua Árabe. No Dia Internacional da Língua Portuguesa, 5 de maio de 2014, a Embaixada concedeu à Universidade livros em língua portuguesa e língua árabe sobre as culturas brasileiras. No dia 1 de Junho de 2014 recebemos uma delegação do Ministério Superior do Egito para verificar os recursos disponíveis para a criação do novo departamento. A delegação acolheu a iniciativa positivamente e aprovou o programa. No dia 29 de setembro de 2014 entregamos o planejamento de aulas do primeiro semestre da primeira turma nos países árabes de estudantes de português como primeira língua no ano letivo 2014/2015. No dia primeiro de outubro de 2014 foi aprovada a contratação da professora Samira Ahmad Orra, mestre em Português Língua Estrangeira na USP. No dia 11 de outubro de 2014 começamos a primeira aula do curso. No dia 9 de dezembro de 2014, recebemos dois estagiários do Instituto de Relações Internacionais da UNESP, que fizeram um contato bem proveitoso com nossas alunas e lhes falaram sobre a CPLP e as relações internacionais do Brasil. No dia 10 de janeiro de 2015, recebemos uma mestranda do Programa de Antropologia da Universidade Federal Fluminense, que também fez um intercâmbio com nossas alunas e nos falou sobre a cidade de Rio de Janeiro. No dia 24 de maio, sua Excelência o Embaixador Ruy Amaral e o Governador de Aswan, e o reitor da Universidade de Aswan participaram da festa de inauguração da Universidade de Aswan do primeiro departamento de língua portuguesa nos países árabes. A festa da inauguração contou com a visita do Prof. Dr. Benjamin Abdala Junior, Vice-Presidente da Comissão de Cooperação Internacional da USP e Presidente do Comitê Científico da Associação de Universidades de Língua Portuguesa. O Prof. Dr. Benjamin deu uma palestra “Fronteiras múltiplas: a presença árabe na Ibéria e as inclinações mediterrâneas e atlânticas das culturas portuguesa, da América Latina e da África de língua portuguesa oficial”. A palestra foi publicada no prestigioso jornal egípcio de relações internacionais Al Syassa Al Dawlya em outubro 2015. No ano letivo (2015/2016), o departamento de língua portuguesa recebeu a segunda turma de língua portuguesa e também convidou a Profª Bianca Graziela Souza Gomes da Silva para ser estagiária de pós-doutorado sob a supervisão do Prof. Dr. MAGED EL GEBALY, professor de literaturas de língua portuguesa e atual coordenador do departamento de língua portuguesa.

    A Universidade de Aswan foi criada no dia 15 de junho dos 2012 e está localizada na região do Saari. A Universidade é Pública Estatal e pertence ao Ministério de Ensino Superior da República Árabe do Egito. A Universidade tem 14 faculdades: Línguas e Tradução (Al Alsun), Agricultura, Arqueologia, Ciências Naturais e Exatas, Ciências Sociais, Educação, Enfermagem, Engenharia, Engenharia de Energia, Letras, Medicina, Hotelaria e Turismo, e Veterinária. No Ano 2014, a Universidade contava com mais de 100 mil estudantes, cuja maioria é do Alto Egito.
    A Faculdade de Línguas (Al Alsun) abrange departamentos das seguintes línguas: árabe, inglês, francês, espanhol, português, italiano, alemão, russo, chinês, japonês, coreano, hebraico, turco, amárica, suaíli, e haúça. Com uma média de 1000 alunos matriculados, o objetivo da faculdade é formar profissionais capazes de participar ativamente no desenvolvimento da pesquisa, da educação, do turismo, da tradução, das relações internacionais e da comunicação.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *