Resenha: “Pobre nação: as guerras do Líbano no século XX”, por Robert Fisk

pobre-nacao-as-guerras-do-libano-no-seculo-xxEntender o Oriente Médio e, consequentemente, o Líbano nunca foi tarefa fácil. Os estudiosos europeus do tema que aceitaram o desafio, ao exporem suas análises, certamente tinham a sensação de haver criado algo inconcluso, cuja apreensão total era uma ilusão. Essa incompletude não significava, entretanto, imutabilidade, pelo contrário: no Levante – e no Líbano – o que existe é a eterna mudança do mesmo, e em boa parte aquela tecla que o mestre Edward Said tanto bateu em seu “Orientalismo: a criação do Oriente pelo Ocidente”, um mundo cheio de beduínos, camelos e encantadores de serpentes, mas, sobretudo, atrasado e violento.

O livro “Pobre nação: as guerras do Líbano no século XX”, do jornalista britânico Robert Fisk, há décadas residente naquele país, oferece um importante referencial àqueles que se interessam pela história recente do Oriente Médio e, especificamente, pela do Líbano, país que há tanto tempo ocupa os noticiários televisivos e os cadernos internacionais de jornais de todo o mundo. Por si sós, estes seriam bons motivos para a publicação do livro, não fosse também a particularidade brasileira: o Brasil possui uma importante comunidade de origem libanesa, cujos expoentes podem ser vistos em todos os campos profissionais em nosso País. Tal particularidade agrega valor à tradução do livro de Fisk à língua portuguesa, uma vez que se coloca como mais um instrumento para a compreensão desse país, distante geograficamente, mas próximo enquanto comunidade inserida na sociedade brasileira.

“Pobre nação” exige fôlego. São 962 páginas escritas por vezes com rigor científico do historiador profissional; outras – mais passionais – com o olhar da testemunha, que não se furta em exprimir sua opinião e, por vezes, sua revolta. É, aliás, também ao caráter testemunhal que se deve a riqueza de sua narrativa, o que faz o leitor aceitar o desafio de encarar uma obra tão longa.

Testemunhar algo importante. Como ele próprio diz: “… estava no Líbano porque acreditava, de uma maneira um tanto indefinida, estar testemunhando a história” (p. 10). Encantava-o a possibilidade de presenciar os eventos que delineavam o Oriente Médio desde a Segunda Guerra Mundial. Poucas linhas abaixo continua: “Suspeito de que seja isto de que trata o jornalismo – ou pelo menos aquilo que deveria ser: assistir à história e testemunhá-la e, então, apesar dos perigos e das restrições e de nossas imperfeições humanas, registrar tudo da maneira mais honesta possível”.

Nessa linha, o autor tenta diferenciar-se dos historiadores acadêmicos, que para ele são os que se debruçam sobre as fontes primárias obtidas nos arquivos estatais e nas reuniões de gabinete. Esta aparente vantagem do jornalista-testemunha mostra-se, entretanto, imperfeita, já que ele próprio, ainda em seu prefácio, explica a impossibilidade de recorrer às evidências documentais devido à falta de acesso aos arquivos de Israel, da Síria e da OLP no Líbano. Não havia dessa forma outra saída que não o testemunho pessoal dos acontecimentos, as matérias que mandava para o Times, as mensagens eletrônicas, os memorandos e as anotações pessoais.

Mesmo insistindo no caráter jornalístico de “Pobre nação”, cabe mencionar a “Cronologia dos eventos” (pp. 19-21). Trata-se de um expediente histórico bastante esquemático, mas fundamental para o leitor, em que são apresentados o espaço físico e o temporal cobertos pelo livro, que se inicia com a Guerra Druso-Cristã de 1860 e a intervenção francesa, indo até a eleição de Ariel Sharon como primeiro-ministro de Israel em 2001.

Assim sendo, embora o subtítulo fale de “guerras do Líbano no século XX”, é impossível compreendê-las sem expandir suas fronteiras espaciais e temporais. Ganha o leitor, que descobre a infinidade de informações lançadas ao jornalista, e compartilha com ele o esforço de análise de todas as partes envolvidas no conflito. Eis um dos maiores méritos de Fisk em “Pobre nação”: dar voz a outros elementos que não somente os oficiais, isto é, reconhecidos oficialmente pelo Estado ou como Estado.

Dessa forma, começa o primeiro capítulo, “Imagens em sépia numa parede”, não num front de batalha qualquer em Beirute, mas na Polônia, num dia frio na Varsóvia de dezembro de 1986. Lá entrevista Szymon Datner, sobrevivente do Holocausto, que era professor de ginástica e música de Yitzhak Shamir (primeiro-ministro de Israel de 1983 a 1984 e novamente de 1986 a 1992). Por que começar sua busca na Polônia e não no Líbano? É na Segunda Guerra Mundial e não no Velho Testamento que procura as explicações para a instabilidade no Oriente Médio, e isso passa inevitavelmente pela criação do Estado de Israel, a Questão Palestina, a OLP e o Líbano.

Mais adiante, dedica-se ainda à história. Num movimento pendular, próprio do narrador que intenta tornar sua narativa verossímel por meio da procura de personagens e períodos relevantes, mesmo que muitas vezes separados por hiatos temporais. Nosso autor volta ao final do século XIX, ao sionismo político na Europa de Herzl e sua extensão à Palestina então sob mandato britânico. Mais do que a simples transferência de grandes contingentes de judeus para a Palestina, aquele movimento mostraria com muito mais nitidez o fim de uma era: a decadência britânica e a ascensão norte-americana.

Com a fundação do Estado de Israel, logo após o fim da Segunda Guerra Mundial, e as subsequentes guerras com seus vizinhos, o mapa político do Oriente Médio modificou-se substancialmente, com avanços e recuos, mas ao fim com a ocupação do território que viria a ser o Estado palestino. Mas o que dizer do mapa populacional? Como é bem sabido, essas guerras, e sobretudo a Guerra de Independência de Israel, criaram o problema dos refugiados palestinos. Esses habitantes autóctones, em sua maioria, foram espalhados nos países vizinhos, entre eles o Líbano, criando nesse pequeno país um desequilíbrio populacional e político, no qual os libaneses se veem enredados até hoje. Curiosamente, muitos desses palestinos, imaginando que a ocupação israelense seria temporária, levaram para o exílio os certificados de propriedade de seus imóveis, outros até as chaves de suas casas. Hoje, contudo, essa mesma terra já não se chama Palestina, mas Israel, e o povo que ali vive tem uma língua e religião diferentes.

A partir do terceiro capítulo, “O flautista camuflado de Damasco”, entramos definitivamente no tema central do livro – o Líbano e não a Palestina. Nele, Fisk nos conduz habilmente pelo terreno pantanoso que poderíamos chamar de comunidades político-religiosas. Isso porque estas orientam suas relações com os aliados segundo interesses políticos comuns, bem como sua orientação religiosa. Um verdadeiro espírito, em que o indivíduo não existe sem sua comunidade. Assim, entre os cristãos existem os maronitas e o melquitas; entre os muçulmanos, os drusos, os sunitas e os xiitas. São essas comunidades, além da devoção à sua religião e aos seus líderes, profundamente identificadas com determinadas regiões no Líbano. As montanhas de Chouf são território dos drusos; Sídon e Trípoli, dos sunitas; o sul, dos xiitas; a cadeia de montanhas ao norte, dos cristãos; Beirute, de todos.

Segundo Fisk, há de se levar em consideração o elemento estrangeiro, inicialmente o francês no século passado para proteger os maronitas da fúria drusa; depois o das principais potências europeias e dos Estados Unidos, além da Síria e de Israel. Todas elas recebidas inicialmente como salvadoras, inevitavelmente transformadas em inimigas: era o “beijo da morte” do Líbano (p. 182). Todas elas, por seu turno, sempre imaginavam que suas operações durariam um curto espaço de tempo, como no caso israelense no fim da década de 1970.

Outro aspecto importante sublinhado por Fisk é o uso político do termo “terrorista”, que para ele era “uma obsessão (…), que reduzia a todos – todos – na zona de guerra ao nível de animais” (p. 193). Antevê, dessa maneira, a batalha ideológica em torno do uso desse termo, em que todos os assim identificados deveriam ser eliminados sumariamente, já que os crimes que cometeram, ou estariam em vias de cometer – não nos esqueçamos dos “ataques preventivos” –, não merecem sequer recurso à Justiça.

Contudo, contrariamente a esse ambiente de restrições dos direitos civis, mais atual do que nunca, em nome do “bem” contra o “mal”, Fisk nos informa do precedente que a Guerra no Líbano criou. No décimo segundo capítulo, “Caixa de Pandora”, ele atribui justamente à impossibilidade do Líbano de restringir a circulação de repórteres nas zonas de conflito que ajudou a colocar por terra a imagem de Israel como um Estado promotor de ordem e justiça, que tanto o diferenciava de sua vizinhança. Sua ações também eram excessivamente violentas, quando não bárbaras.

A história de “hoje”, que pode ser testemunhada por quem escreve, recorre atualmente a expedientes inimagináveis se comparados aos utilizados na Guerra Druso-Cristã de 1860. Hoje, as redes de comunicação têm à sua disposição infindáveis possibilidades que a tecnologia lhes oferece, mas nem a mais avançada tecnologia pode substituir a análise do jornalista (historiador?), a quem cabe orientar sua pesquisa e as respostas que obtém de maneira imparcial, descobrindo para além do que está escondido, as nuances de significados e o uso dos termos sedimentados pelo tempo. É isso o que se propõe a fazer “Pobre nação”, ao tentar redefinir um quadro de erudição das fontes, dando protagonismo também a outras “testemunhas” e “testemunhos” excluídos da atual ordem mundial. Enfim, essas fontes passam a ser vistas com outro peso na construção da verdade e, não nos esqueçamos, ela é sempre um ato político.

 

Dados para citação:

FISK, Robert. Pobre nação: as guerras do Líbano no século XX. São Paulo: Record, 2007. Resenha de: DE ARAÚJO, Richard M. Tiraz – Revista de Estudos Árabes e das Culturas do Oriente Médio, São Paulo, vol. IV, n. 4, pp. 195-198, 2007.


Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *